Orthus

Orthus é um robô da categoria Hobbyweight (até 5,44 kg) que possui dois discos verticais que giram a quase 10.000 rpm como arma ativa. Foi projetado e construído nos anos de 2014 e 2015 e teve como base os conhecimentos adquiridos dos robôs Cérbero e Hunter, os dois robôs com armas ativas da equipe na época.

Sua estrutura é composta por chapas de alumínio aeronáutico 7075-T6 usinadas pela Techmotion, incluido seu mancal da arma (também chamado por algumas equipes de torre). Seus discos são feitos de aço E38K (um aço ferramenta para trabalho a quente) da Schmolz, fornecido à equipe pela Proaços. Sua polia é de alumínio e foi usinada pela própria equipe no laboratório de usinagem do Departamento de Engenharia Mecânica do CEFET-MG, e se encontra entre os dois discos, mantendo-a protegida durante o combate.

Sua locomoção conta com dois conjuntos motor-redução. Utiliza a P60 16:1 com motores Integy 65T e rodas colson externas, permitindo a economia de peso e a menor preocupação com posições estáveis do robô.

O motor de sua arma é o Leopard 4062 com 2200kv, possuindo potência de sobra para tocar a arma e não se danificar quando é “travado” nos impactos. Utiliza o ESC Brick, que suporta 70 A contínuos e 95 A de pico, dimensionado também para suportar os picos de corrente na hora do impacto.

Sua locomoção é controlada pelas placas “Ladon”, feitas pela própria equipe para as categorias Hobbyweight e Featherweight. Têm se mostrado placas extremamente confiáveis e estáveis, sendo responsáveis diretamente pelos ótimos resultados conquistados pela equipe nesta categoria.

O Orthus vem passando por reprojetos nos últimos anos, sendo o seu primeiro no ano de 2017. Pela dificuldade de usinar suas frontais e pela quantidade de material gasto, estas foram trocadas por frontais de aço soldado, baseado no ótimo resultado do Lightweight Asterion com este tipo de peça. Foram realizados vários testes com materiais diferentes, de aço 1020 carbonitretado até Hardox 450, sendo a última opção a escolhida para continuar pois mostrou melhores resultados.

Outra modificação que o projeto recebeu em 2017 foi a alteração dos seus mancais. Perdeu uma de suas marcas que eram os “chifres”, tendo esta peça agora curvada para trás, aumentando a exposição da arma quanto o robô estivesse de cabeça para baixo.

Sua última modificação foi novamente dos mancais da arma, buscando uma otimização ainda maior deste componente. Seus alívios agora são passantes, dando um ar moderno ao robô, porém sem perder sua eficiência.